Nós que aqui estamos, por vós esperamos.

Vou esboçar sobre um documentário fascinante que assisti, vencedor do Festival de Gramado (2000) por sua montagem e Festival de Recife como melhor filme, melhor roteiro e melhor montagem.

Nós que aqui estamos por vós esperamos, dirigido por Marcelo Masagão recebe um título ousado, tirado de um letreiro disposto na porta de um cemitério em Paraibuna interior Paulista.


O documentário é uma memória do século XX dando uma volta ao mundo, dirige o olhar para a vida e a morte, aborda temas como a industrialização, mostrando a alienação de trabalhadores que se transformavam em peças da engrenagem capitalista, mudanças nas formas de comunicação após o surgimento do telefone, energia elétrica, surgimento do rádio, regimes totalitários, religiões, evolução da independência feminina, a produção em massa de utensílios domésticos e carros.

Dentro de tantos fatos históricos perpetuados por registros de velhas câmeras e anônimos cineastas do acaso quase não há palavras, as imagens nos transportam a dor ao sentimento de vergonha em relação ao ser humano, o ódio e ao amor.

Um documentário podemos dizer um tanto poético e como tal tem inúmeras variações, da felicidade a tristeza, pessoas comuns que contribuíam consciente ou inconscientemente na construção dos tempos atuais.


Relembra momentos importantes do século como a queda do muro de Berlim, a Revolução na China nos anos 70 sob os pés de Mão Tsé-Tung, a extração de outro em Serra Pelada no Brasil, a quebra da bolsa de Nova Iorque em 1929, as famílias e sonhos nas cidades de Hiroshima e Nagasaki devastadas pelas bombas, Nazismo e Chefes de Estado como Stalin, Hitler, Pol Pot, Franco, Pinochet, Médici entre outros que causaram a morte de milhões de pessoas, espaço que o autor define como “Paranóia” são apresentados de forma clara e sem filtros.

A revolução feminina na década de 20 é muito bem retratada por mulheres fazendo passeatas, queimando sutiãns, entrando no mercado de trabalho, ao surgimento da mini-saia, controle de natalidade e das mulheres que desprendidas das amarras do lar, bebem, fumam, dançam ...

Relembra a paz budista de Mahatma Gandhi que venceu resistências imperialistas do Tibet sem segurar em um revólver, aborda as religiões como o islamismo, o judaísmo, o hinduismo e o candomblé, e impressiona ao mostrar uma criança em numa esquina abandonada, indefesa a espera de Deus.


Solidão e a injustiça das guerras. Traumas, humilhações, desespero, protestos, suicídios e ilusões.

O filme é exibido em preto e branco dando cores somente ao cemitério filmado no final, Nós que aqui estamos, por vós esperamos, e também esperaremos nós sermos lembrados por tudo aquilo que fizemos.

Uma poesia cinematográfica completamente apaixonante que vale muito a pena ser assistida.







Título original: Nós que aqui estamos, por vós esperamos
Ano de Lançamento: 1998
Direção: Marcelo Masagão








A trilha sonora é de Win Mertens.

27 comentários:

M!sunderstood disse...

Nossa que massa cara, super interessante mesmo o documentário. Vim agradecer-lhe a visita e desejar uma ótima tarde

Bjos, querida

Paulinha Leite disse...

Ola Arathane...
Primeiramente quero agradecer pela visitinha ao meu cantinho, fiquei mt feliz e super lisonjeada com os elogios! :)
Seu blog é muito interessante, vc esta de parabens por todos os artigos que posta aqui! Estou seguindo vc tb!
Ofereco meu award pra vc, aceite com carinho!
Virei aqui mais vezes com certeza.
Beijos querida!

Elmo Freitas disse...

Putz!
Muito massa... muito massa mesmo!!!
.
Parabéns pelo blog. Mto bem estruturado e, sobretuto, conteúdos que dignos de exaltação. Não é todo dia que se encontra algo construtivo na net.
.
Voltarei.

Macaco Pipi disse...

muita fééé!

Rodrigo Selback disse...

Nossa não sei qualé a desse filme nunca assisit MAS trabalhei numa livraria q esse filme vendia q nem agua

wmanchieta disse...

Cara, blog muito maneiro, muito bem feito e organizado.
Post via comu do orkut.
abçs.

Arathane disse...

hah rodrigo é pq é mto bom, assista que vc vai entender ... valeu !!!

yo disse...

POW!
ara, muito shom, vou procurar, e sim menina resenhando aiai... será que encontrei mesmo a minha yemanja?
u.U tomará, um xero delicia.

Jeh Pagliai disse...

Nuss, que interessante documentário!
Me lembrou muito o livro "A menina que roubava livros" sua resenha; é mesmo parecido, ou mesmo uma confusão minha? Rs

Beijinhos

---
www.jehjeh.com

Fabricio bezerra da guia disse...

Eu já ouvi falar desse diretor,mas nunca ouvi falar desse documentário,valeu pela dica

Evelyne V. Nami disse...

Resenha perfeita e completa de um documentário que com certeza vou procurar para assistir!!!
Parabéns amiga!!!!
Bjo

- sáminina. disse...

Putz achei muuuuuuito interessante! Vou baixar...
aquela foto dos pés é sensacional! Ahmm, as fotos que vc posta são sempre muito boas :)

Monique Burigo Marin disse...

Gostei muito da sua descrição, tanto que o filme entrou para a lista dos que quero assistir até dezembro. :D
Li o post do dia dos namorados e preciso dizer que não é fácil ser jovem, principalmente quando você não se parece com eles em quase nada. Sou careta, gosto do amor à moda antiga, e me ilumina saber que ele ainda existe.
Gostei de tudo o que vi aqui. Parabéns!

♫ Angélica ♥ Kawai ♪ disse...

Parece da hora esse documentário!
mas onde achio pra assistir?
Tem como aluga?
Excelente postagem!
o/

♥ Evelin Pinheiro ♥ disse...

hummmm.... me interessei em ver amiga!
Vou procurar por aki!
Valeu pela sugestão!!
BjO da Eve*-*

http://evesimplesassim.blogspot.com/

Marcos Lucas disse...

Dizem que é excelente esse documentário. Infelizmente nunca vi.

Jr disse...

Muito bom esses vídeos . Qualquer hora eu vejo o documentário completo

:)

Leandro Luz disse...

Depois de algumas experiências, o que você disser que é bom eu baixo sem hesitar!
(até que eu mesmo diga o contrário)
hahaha'

;***

Paulinha Leite disse...

Amiga, vim desejar um final de semana colorido pra ti, com todas as bencaos de Deus! ADORO passear por aqui incansavelmente

Loverocklive disse...

Gostei muito do nome que foi escolhido para o doc, achei a imagems dos pés bastante chocante,mas com certeza não vejo a hora de assistir

abraços rock and roll.

Dani Teixeira disse...

Ah sim! Eu já assistí esse documentário. É bem profundo, e a trilha sonora é bem dramática. Me fez pensar...

Meu blog:
www.lapsodelucidez.blogspot.com

©αмιℓα disse...

amei a dica .. espero conseguir no minimo o download pra assistir beijo flor.

yo POISON! disse...

oi xóxó
adoro documentarios, copo meio cheio ou meio vazio?

Nilda disse...

Poxa, ainda não assisti este!! Boa dica, amiga!!
O título e maravilhoso!! eu diria, que é poetico...rsrsr!!

Luana Bernardes disse...

Assisti na faculdade esse!

É fascinante mesmo, relembrei alguns momentos do filme que já havia me esquecido pela sua postagem. Na verdade, acho que vale rever ele inteiro. =D

PedrO H. disse...

um belo filme-documentário
Já foi tema de trabalho para mim na faculdade.
Apesar de ser meio cansativo ficar 1h e pouco vendo apenas fotos e texto.. é um filme muito bom que vale realmente a pena, não só para trabalhos academicos, mas para o desenvolvimento intelectual de cada um.
Parabens pelo trabalho!
ótimo post.

Mônica Wesley disse...

Parece ótemooo... vou procurar pra baixar... Vc sempre dando boas dicas de múicas e filmes. o/

=**